a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

A alínea I

exclusão do concurso de professor titular

Pelo blog PURO ARÁBICA fiquei a saber:
[...] vi [...] as listas de candidatos admitidos e excluídos do Concurso de Professores Titulares que está a decorrer no âmbito da reestruturação do Estatuto da Carreira Docente (não superior). A acompanhar a lista de excluídos apareciam tipificadas, através de códigos/letras, as razões para uma possível exclusão. Uma delas, a que corresponde ao código/letra I, apresenta uma razão que, do ponto de vista do enquadramento geral político, é, no mínimo, muito preocupante.
[...]
Dito de outra maneira “bem curta e grossa”: um professor que realize e/ou participe em alguma acção, no âmbito do Direito à Liberdade de Pensamento e de Expressão, poderá ser alvo de uma exclusão de um concurso público da Função Pública?



Esta alínea I parece feita à medida da necessidade de controlar os blogs!


7 comments :

  1. Sofia Bochmann disse...
     

    Venho agradecer o link a a divulgação de tão preocupante assunto.

    Um abraço!

  2. avelaneiraflorida disse...
     

    ESTA DEIXOU_ME COMPLETAMENTE PETRIFICADA!!!!!

    EU QUE JÁ PENSAVA QUE NADA MAIS ME SURPREENDERIA NOS PRÓXIMOS TEMPOS!!!!!!!

    AGRADEÇO ESTE POST!

  3. Raposa Velha disse...
     

    Sofia, é realmente preocupante esta via de sentido único onde estamos.

  4. Raposa Velha disse...
     

    Avelaneiraflorida, temos que manter presente que a estupidez não conhece limites.

  5. Maria Lisboa disse...
     

    Passei esta informação a alguns colegas.

    Um respondeu-me dizendo que: essa alínea talvez se refira às tentativas de fraude por meios
    electrónicos no processo de elaboração do concurso
    Outro remeteu-me para a lei das comunicações electrónicas:
    http://www.verbojuridico.net/legisl/2004/l04_005.html


    Espero que não passe disto. Porque se for outra coisa, t6eria que vir nos procedimentos do concurso!

    De qualquer dos modos

  6. Raposa Velha disse...
     

    Maria, se assim for faz sentido. Mas da forma como foi escrito não é nada claro. Obrigado pela clarificação.

  7. Anónimo disse...
     

    in http://maquinaespeculativa.weblog.com.pt/4_indirectas_e_retorcidas/index0

    julho 23, 2007
    Deixem-se lá de brincar aos anarquistas, pequenos irreverentes sem causas
    Um desporto nacional actualmente na moda consiste em inventar (literalmente) os mais estrambólicos casos supostamente ilustrativos da sanha autoritária e liberticida do governo. A coisa é feita de modo a que nenhum cidadão em perfeito juízo, ou que pelo menos tenha uma ocupação que não seja detective, possa realmente "investigar" todas as acusações mirabolantes que qualquer um se digne confeitar.
    Bom exemplo é este post de Sofia Bochmann no blogue Puro Arábica. Aí se pretende sugerir (embora ocultando-se essa pretensão por uma interrogativa), a propósito de um concurso para professor titular, que «um professor que realize e/ou participe em alguma acção, no âmbito do Direito à Liberdade de Pensamento e de Expressão, poderá ser alvo de uma exclusão de um concurso público da Função Pública».
    O Apdeites V2 rapidamente mostrou a inanidade (ou mesmo a insanidade) da pretensão. Mas para isso teve de investir na investigação. Que nem sempre podemos fazer. A autora do disparate inicial, contudo, não parece ter ficado muito impressionada com a demonstração da burrada. Depois de saber que tinha escrito ficção política de má qualidade, em vez de esclarecer honestamente os seus leitores acerca do seu disparate, continua a chutar a bola para a frente como se não fosse nada de mais.
    A irresponsabilidade cívica grassa, como se vê. O circo avança, agora, na pretensa defesa de uma liberdade pretensamente ameaçada. Se a estratégia é a da anarquia, podiam pelo menos aprender com os velhos anarquistas, que esses pelo menos tinham ideias na cabeça e coragem para serem consequentes. Não eram como estes "revolucionários" de pacotilha, conservadores escondidos na fraseologia "libertária".
    Desculpem o azedume, mas não há pachorra...

Enviar um comentário