a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

Esta vai com o texto integral da notícia!

27.02.2008, Victor Ferreira
Críticas e sátiras à política, ao desporto e à Igreja protagonizadas pelo docente não agradaram à UM
O órgão que terá obrigado o professor de Braga a fechar dois blogues humorísticos, onde satirizava a Igreja e alguns políticos, tem uma reunião agendada para hoje à tarde.
O curioso é que o autor dos dois blogues vai participar nessa reunião, porque em Janeiro foi eleito em representação dos docentes não doutorados. Daniel Luís espera poder debater este caso nessa reunião.
a Um professor da Universidade do Minho (UM) foi obrigado a encerrar o seu blogue e o seu canal de vídeos na Internet, sob o argumento de que o conteúdo era "desprestigiante" para a universidade.
Em causa está a actividade do docente Daniel Luís, autor dos blogues dissidências e dissidênciastv (http://sol.sapo.pt/blogs/dissidencias), onde eram colocados os textos e vídeos com sátiras e críticas à política, ao desporto e à Igreja que o próprio docente protagonizava. Mas um dos órgãos do Departamento de Sociologia da Educação e Administração Educacional (DSEAE) da UM, onde Daniel Luís é assistente, não gostou do conteúdo e, segundo o próprio afirma ao PÚBLICO, "deliberou que o blogue (dissidencias) e o canal na Net (dissidenciastv) deveriam ser retirados por colocarem em causa a imagem do Departamento".
A decisão foi tomada na reunião de Dezembro do conselho de departamento e foi-lhe comunicada "dois dias depois pelo director", que lhe terá comunicado ainda que "alguns elementos do referido conselho queriam levar este caso até às últimas consequências". "Inicialmente, fiquei perplexo", recorda o docente. "Era o meu hobby, adoro escrever."
A 21 de Dezembro de 2007, dois dias após a tomada de posição do departamento, o docente fechou os blogues e retirou todo o conteúdo. Embora considere a decisão "injusta, infeliz e prematura", sublinha que "as pressões continuaram" e chegou mesmo a admitir que alguns colegas lhe moveram uma "vigilância pidesca" na Internet.
O PÚBLICO fez ontem diversas tentativas para ouvir o director do departamento, Carlos Estêvão, mas não teve sucesso. No entanto, o responsável, citado pelo jornal ComUM, que se publica dentro do campus, afirma que não houve censura, sublinhando que Daniel Luís encerrou os blogues de livre vontade depois de ser aconselhado "a rever alguns elementos que fossem considerados incorrectos para um educador". O mesmo responsável nega também a vigilância ao professor, embora admita que possa ter existido, por iniciativa própria de algum professor.
"Acusaram-me, por exemplo, de associar a universidade e o departamento ao blogue, coisa que nunca fiz, até porque nunca me identifiquei no blogue", defende-se o docente. "Fui ainda repreendido por fazer comentários satíricos aos nossos governantes e à Igreja", recorda. "De nada adiantou ter explicado que o blogue era apenas um boneco. Infelizmente, levaram tudo à letra, sem compreenderem que era uma mera manifestação artística."
Daniel conta que lhe foi pedido também "que não aparecesse mais em iniciativas ligadas ao humor", ou seja, que abdicasse dos espectáculos de stand up comedy, outro dos seus passatempos. Há cinco dias, o blogue reabriu mas a maioria do conteúdo original foi apagado. Daniel diz temer pelo emprego (tem contrato a prazo) e que tem de "pensar na família".

in Público


6 comments :

  1. Pata Negra disse...
     

    Oh Raposa não nos faças rir senão a seguir és tu!
    Um abraço sem medo

  2. Raposa Velha disse...
     

    LOL
    Ainda bem que não sou prof! Assim posso manter o blog.

  3. Ana C. disse...
     

    À semelhança do que tem acontecido em vários capitais de distrito, também em Lisboa vai haver uma mobilização de professores no dia 1 de Março, às 16 h, no IPJ.

    A hora é de união, independentemente da cor política ou sindical. Há uma coisa que todos temos em comum: somos professores e estamos a ser humilhados enquanto assistimos à completa degradação do nosso sistema de ensino. A situação é ainda mais grave para todos os que, como eu, têm filhos.

    Por isso, seria bom estarmos em massa no dia 1 no IPJ não só para nos informarmos mas também para mostrarmos que não nos vergamos. Não me canso de repetir o que diz a canção: "Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar!"

    Já não há espaço para os NINS.

  4. Ana C. disse...
     

    Recebi esta informação duma colega, que não a conseguiu validar. Alguém sabe se é verdade ou mentira?

    "Recebi uma informação que diz que a nossa Milu passou agora de Professora Auxiliar a Professora Associada sem que a vaga tivesse ido a concurso nem ela tivesse feito qq trabalho/tese. Bastou-lhe o serviço "político" prestado.

    Tens alguma informação sobre isto ou forma de confirmar?

    A ***** é professora universitária e para passar a Associada teve que fazer o dito trabalho e a vaga estava a concurso nacional, mas ela diz que no ensino universitário se fazem as maiores trafulhices (até se inventam "catedráticos convidados", por a vaga de catedrático ter sido ocupada por quem merecia)."

  5. Bernardo Moura disse...
     

    É inacreditavel.
    :(

  6. Alien David Sousa disse...
     

    Se esta merda não é censura é o quê?

    Acho que tenho de ler o texto outra vez porque devo estar a ver a coisa de um prisma errado, só pode!!
    kisses

Enviar um comentário