a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

Os buracos do Estado

Houve um primeiro-ministro, a que já chamaram o Menino de Oiro do PS, que em tempos se gabava de reduzir o défice e de o fazer sem desorçamentação e sem receitas extraordinárias. Recordando uma conhecida frase de Lincoln, se é possível enganar todos durante pouco tempo, também é possível enganar poucos durante muito tempo. Mas não é possível enganar todos durante todo o tempo. E a verdade veio à superfície.

Eis algumas despesas que o Estado tem tentado colocar debaixo do tapete nos últimos tempos:

Assim, em contas de mercearia, já vai em 1654 milhões de euros. É capaz de haver aqui uma desorçamentaçãozita… Mas piquinininhazinha. Isto sem contar com o mega-hiper buraco que é o BPN. Não ficaria mais barato dar o dinheiro às pessoas e fecha-lo de vez?

Oposição: dinheiro injectado no BPN dava para eliminar défice

Ajudas do Estado ao BPN ascendem a 4,6 mil milhões de euros. Imprensa avança que poderão ser colocados no banco mais 400 milhões de euros

E quanto a receitas extraordinárias?

«Em 2010, Fernando Teixeira dos Santos passará a ostentar, mesmo, o título de ministro das Finanças que mais recorreu a receitas extraordinárias para tentar endireitar o saldo negativo das contas públicas.» in Jornal de Negócios

  • Valor recorde de 3,1 mil milhões de euros em receitas extraordinárias só em 2010 (concessões de novas barragens, no valor de 500 milhões de euros; fundo de pensões da Portugal Telecom, que atinge 2,6 mil milhões de euros)
  • 2048 milhões de euros entre 2005 e 2009 (outras concessões de aproveitamentos hidráulicos e rodoviários)

Parece que Teixeira dos Santos é perito a acumular títulos. Antes já havia ganho o título de pior ministro europeu das finanças, agora ganha o título de “campeão das receitas extraordinárias” ao conseguir o recorde de 5148 milhões de euros em receitas extraordinárias.

Os segundos e terceiros lugares do campeonato da receita extraordinária vão respectivamente para Ferreira Leite (5079 milhões de euros) e para Bagão Félix 3051,5 milhões de euros). Detalhes no Jornal de Negócios.

E o futuro?

Um buraco de €48 mil milhões

Em cinco anos, os encargos assumidos com as parcerias mais do que duplicaram. A factura anual dispara a partir de 2014 e ultrapassa os €2000 milhões se se considerar o TGV.

É tempo de chamar os iluminados das obras públicas e lembrar-lhe isto dos caramelos de vinagre.



2 comments :

  1. Alien David Sousa disse...
     

    UAU! É tudo o que me ocorre após ter lido este post. Andamos MESMO a ser comidos.

    kisses

  2. O Guardião disse...
     

    As contas não são o forte desses meninos, basta ver que nenhum se governa com o ordenado mínimo.
    Cumps

Enviar um comentário