a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

A direita socialista no governo

A Jangada de Pedra Os governos de José Sócrates têm feito coisas que a dita direita (como se a tivéssemos) nunca ousaria fazer. Ou logo seria exonerada do governo ou tantas seriam as bocas a gritarem fascistas que a demissão seria o caminho.

Vejamos apenas um pouco do que tem feito aquele que se diz o maior defensor do estado social:

 

  • Brutais aumentos de impostos;
  • Anunciar impostos para a banca e não os regulamentar (já lá vão 25 dias desde que estamos mais cortados e banca, népias);
  • Cortes salariais;
  • Aumentos de taxas para acesso ao SNS.

Lembram-se da histeria que foi quando Passos Coelho veio com aquela ideia estapafúrdia de mudar a Constituição para o despedimento ser com “razão atendível”? Onde estão agora esses jugulares e corporativos perante esta coisa inacreditável da bolsa para as indemnizações por despedimento? As empresas já dizem que não hão ser elas a pagar, logo já se sabe qual é o burro de carga que entra em acção nestas coisas. E esta de reduzir 33% o valor das indemnizações por despedimento e criar um tecto máximo de 12 anos? Não há por aí um socialista que venha gritar que a direita que está no governo nos vai comer a todos? Passem lá por esses blogs. Vão lá e comprovem: nem uma palavra. O vinagre é adoçado dizendo que é apenas para novos contratos, como se o emprego para a vida ainda fosse uma realidade.

Diz a ex-sindicalista que agora é ministra do trabalho que é para ficarmos em pé de igualdade com Espanha. Ó senhora André, o cinismo fica-lhe mal. Fosse esse o objectivo e procurava-se harmonizar a carga fiscal entre os dois países, começando pelo IVA e acabando no Imposto Sobre Produtos Petrolíferos. E se fosse para comparar com o resto da Europa, acabar-se-ia com a atribuição de carros, como os que constam desses 2655 veículos a comprar. Ou não saberá a senhora André que nesses admirados países nórdicos os políticos têm meios próprios de locomoção? E acaba-se também com o sector empresarial do Estado, que mais não é do que um meio empregar boys por essas CGD, PT, EDP, REFER, REN, CP, EMPORDEF e tantas outras por aí fora. Agora falar de harmonização só para o que lhe dá jeito, tenha paciência, nem dá para disfarçar.

“Não vivemos isolados numa ilha, temos que olhar para os outros países”, diz a ministra André. Será pedir demais que comece por olhar para o que não temos?!

Sob a capa de ser um partido de esquerda, avança o PS com medidas que a direita sonharia mas não arriscaria. Mas se o povo tem votado desta forma, é porque tem gostado. E como já dizia o Variações “O corpo é que paga; Deixa´ó pagar deixa´ó pagar; Se tu estás a gostar”.

 

Adenda

Via Paulo Guinote, encontrei este artigo: «Carga fiscal das famílias duplicou numa década». Então, senhora André, já que não somos uma ilha, tem alguma coisa a dizer quanto a comparações com a restante Europa?

image



3 comments :

  1. zedeportugal disse...
     

    Grande post, caro Jorge.
    É isso mesmo, sem tirar nem pôr.

  2. Alien David Sousa disse...
     

    Olha Flis, é mesmo assim o povo chora mas colocou pela segunda vez o Sócretino no poder. Toca a aguentar, a merda é que eu não votei nele e estou a sofrer, a pagar literalmente pelos outros.
    beijinhos

  3. Fliscorno disse...
     

    Obrigado Zé.

    É assim, Amarelinha... Mas deixa estar, tenho aqui guardado para ti a medalha de honra :)

Enviar um comentário