a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

Lisboa e as bicicletas

Pessoalmente, acho de louvar que a bicicleta esteja a ser colocada com alternativa ao transporte pessoal, assunto que está a entrar na actualidade política da Câmara Municipal de Lisboa. Sendo certo que há uma área considerável em que não é praticável o uso regular da bicicleta, o facto é que também há uma vasta área em que isso é possível. Não conheço o percurso Telheiras/Marquês; tendo-o proposto, espero que o Sá Fernandes o conheça!

Conheço o argumento geralmente usado por quem acha que a bicicleta não é uma alternativa de transporte pessoal em Lisboa: as colinas. Mas suspeito que esses mesmos são os que pegam no carro para ir ao café da esquina... Entre nós não há a cultura de usar a bicicleta sem ser para desporto - aliás até é visto como algo pindérico - mas essa é uma atitude a mudar. No presente não há condições para usar a bicicleta na cidade e com segurança como meio de transporte. Mas há uma larga parte da cidade, plana ou com baixo declive, em que a existência de ciclovias seria uma mais valia.

Actualmente em Lisboa é possível ir de carro de qualquer ponto para outro local. Não vejo porque assim há-de ser. Creio que paralelamente a uma rede de eixos principais, devia existir um conjunto de ruas em que o transporte automóvel particular fosse interditado, ficando reservado aos transportes públicos, cargas e descargas e à bicicleta. Mas, note-se, aumentando em simultâneo a quantidade e qualidade desses transportes públicos, criando uma verdadeira rede interligada, coisa que neste momento não existe.

Outros textos aqui publicados sobre a bicicleta como transporte individual: link.


2 comments :

  1. Maria Lisboa disse...
     

    Já existe ou é para ser feito?

    Telheiras/Marquês para bicicleta, só vejo um percurso: descer ao Campo Grande pelo lado norte de Telheiras e desde aí até ao Marquês, utilizar uma ciclovia sempre paralela às avenidas.

  2. Raposa Velha disse...
     

    maria lisboa: pelo que percebi, ainda não existe. E tudo leva a crer que não existirá.

Enviar um comentário