a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

Um grande pensador (do tempo dele)

Recebi por mail:

Monsenhor Luciano Guerra, Reitor do Santuário de Fátima, Notícias Sábado de 6 de Outubro:

Na sua opinião, uma mulher agredida pelo marido deve manter o casamento ou divorciar-se?
Depende do grau da agressão.

O que é isso do grau da agressão?
Há o indivíduo que bate na mulher todas as semanas e há o indivíduo que dá um soco na mulher de três em três anos.

Então reformulo a questão: agressões pontuais justificam um divórcio?
Eu, pelo menos, se estivesse na parte da mulher que tivesse um marido que a amava verdadeiramente no resto do tempo, achava que não. Evidentemente que era um abuso, mas não era um abuso de gravidade suficiente para deixar o homem que a amava.


Grande pensador, sim senhor. Acho que falta esta pergunta: E se esse homem que dá um soco de três em três anos lhe cortasse a pila durante uma missa, lhe emborrachasse um tomate passado três anos e lhe arrancasse o outro passados mais três anos, deve, na sua opinião, este católico prosseguir só ou com companhia na sua forma de interpretação das escrituras?


11 comments :

  1. Eva disse...
     

    Isto nada como andar acompanhado, para responder à tua pergunta.
    É ou ou não aflitivo que um homem que está à frente do "pólo" mais importante da igreja potuguesa venha a público "arrotar postas” destas?
    Na volta até nem é neste quadro do Portugal revivalista com tiques fascistóides.
    Realmente, não há nada mais bonito que manter o “sagrado sacramento do matrimónio” acima de tudo e a "esposa" na linha, a murro, a pontapé “só para aprender”.
    E a título de curiosidade aqui ficam algumas notas sobre a igualdade entre os sexos na lei portuguesa:
    “Só em 1910 o crime de adultério passou a ter o mesmo tratamento quando cometido por homens ou por mulheres; só em 1931 (…) se reconheceu expressamente o direito de voto às mulheres diplomadas com cursos superiores ou secundários (aos homens apenas se exigia que soubessem ler e escrever); por Lei de 29/7/1959, a mulher portuguesa que casasse com um estrangeiro passou a poder conservar a sua nacionalidade, se assim o desejar; só com o Dec-Lei nº 251/74, de 12 de Junho, se abriu às mulheres o acesso a todos os cargos da carreira administrativa local; só em 1974 (…) se abriu à mulher o acesso à carreira diplomática; a carreira da magistratura (…) ; só com o Dec-Lei nº 474/76, de 16 de Junho, foi abolido o direito do marido de abrir a correspondência da mulher. Em 25 de Abril de 1976, com a entrada em vigor da Constituição democrática, estabelece-se a igualdade entre homens e mulheres em todos os domínios.” in “Violência Doméstica - um problema sem fronteiras” - José Francisco Moreira das Neves, Janeiro 2001, in www.verbojuridico.com

  2. João Rato disse...
     

    Quando for a Fátima vou acender uma vela à Nossa Senhora pelo Raposa Velha. Que ela o proteja da caça!...
    O Reitor é um homem querido, nunca bateu na mulher! Eu apenas bato na minha por duas razões: por tudo e por nada.
    Um abraço cretino

  3. Laurentina disse...
     

    GAITA ...TAMBÉM RECEBI ESSA!!!
    QUEM LHE ARREASSE A ELE COM UM PAU DE MARMELEIRO PELAS COSTA ABAIXO É QUE ERA DE VALOR.
    DEBAIXO DA BATINA E POR CONTA DELA VÃO SENDO OS VERDADEIROS ABUSADORES.
    PAÍS DE MERDA QUE DEIXA SINGRAR GENTE DESTE CALIBRE E LHE DÁ VÓZ

  4. avelaneiraflorida disse...
     

    Não sei o que aconteceu ao meu comentáriozito...

    mas eu repito:

    "Bem prega frei Tomás...",já nos textos antigos se falava de túnmulos caiados...
    Alguém se deve ter esquecido de ler essa parte!!!!!!

  5. ruy disse...
     

    Pois, a eterna doutrina da submissão da mulher ao homem.

  6. O Guardião disse...
     

    Ficámos todos elucidados com o pensamento do senhor. Que nunca seja confundido com uma senhora, é o que lhe desejo...

  7. Alien David Sousa disse...
     

    Raposa, o Monsenhor é um idiota. Não há muito a dizer. Se for só um murro uma vez por mês....se ama bla bla bla

    É por causa de comentários tão estupidos como estes que muitas pessoas se afastam da ijreja

    Beijinhos

  8. cadeira do poder disse...
     

    Crime de violência doméstica no reino da Terra. Lá no reino do Céus parece que é diferente...

  9. Gi disse...
     

    Os Milagres em fa´tima anda a ficar-se pelo futebol. ora ganham ao porto, ora ao Sporting. Não chegam para tudo, a seu tempo talvez concedam a graça do Monsenhor pensar como gente. Até lá há que ter paciência ...


    beijinho

  10. Laurentina disse...
     

    Olha tens que actualizar isto tá?
    Ehehehehehehe ...tou a brincar .
    Porreiro pá...

    Beijão grande

  11. Raposa Velha disse...
     

    Pois é, Eva, esses foram tempos difíceis. Ainda o são? Não sei. No meu pequeno mundo das pessoas que conheço, essas histórias são águas passadas. Mas apesar de necessárias, as leis não bastam. Há sempre atitudes a mudar. E a evidência viva é esse monsenhor da Cova de Santa Iria.



    Muito obrigado João. Espero que seja uma vela com baixo teor de emissão de CO2 ;)





    Oh Laurentina mas estás a assumir que o pau de marmeleiro lhe seria desagradável! LOL Bem, bem, esta é de baixo nível. Quase rasante à entrevista do monsenhor.





    Avelaneira Florida, também não sei do teu comentariozito... Terá levado um dos murros do monsenhor?





    Ruy, doutrina é mesmo a palavra correcta, dado o contexto ;)






    Guardião, já agora, será que ele dá uns murritos, de 3 em 3 anos por exemplo, à senhora dele, a de Fátima?







    Alien, Alien e como é lá no deep space? :)






    cadeira do poder: é que deve ser mesmo diferente. Só espero que não seja como as promessas das campanhas eleitorais...






    Olha Gi, tanto Fátima e Futebol já chateia, não é? (estava quase a sair-me o 3º F, de Fosca-se)






    Laurentina, porreiro pá :)

Enviar um comentário