a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

Podemos não fazer o TGV, Sr. Nicolau Santos?

Linhas TGV e alta velocidade em 2008

Fig. 1: Linhas TGV e alta velocidade em 2008
Imagem adaptada daqui: para maior clareza, foram removidas as linhas com velocidades inferiores a 250 Km/h

 

Nicolau Santos (NS) escreveu na última edição do Expresso [24-12-2009] uma crónica onde arrasa a opção TGV na actual situação económica.

Não sei se o(a) caro(a) leitor(a) terá assimilado na totalidade o anterior parágrafo, pelo que o repito: Nicolau Santos escreveu na última edição do Expresso uma crónica onde arrasa a opção TGV na actual situação económica.

Mas, dirá, o que tem isso de especial? Exceptuando o facto de ser uma reviravolta de 180º, nada. Vejamos o que é que ele escreveu:

Nicolau Santos - TGV, défice, dívida: as opções

Fig. 2: Nicolau Santos - TGV, défice, dívida: as opções: Expresso 24-12-2009

 

NS segue por uma linha de argumentação que, por acaso, até já neste blog tem sido apresentada, inclusivamente essa evidência de o TVG contribuir para Madrid ser o centro da Península Ibérica, levando Portugal mais para a periferia, ao contrário da argumentação oficial socialista. A questão é que esta linha de argumentação de NS é-lhe nova, indo inclusivamente contra o que NS tão convictamente defendera apenas há alguns meses atrás (20-06-2009), em plena pré-campanha eleitoral. Apresentou-nos então as suas razões:

  • «A primeira delas é: mas os Governos têm andado a brincar aos comboios de alta velocidade com os dinheiros dos contribuintes? (…)
  • Bom, mas admitindo que os Governos sabiam o que estavam a fazer, podemos nós colocar-nos agora fora da Rede Europeia de Alta Velocidade? (…) Podemos saltar fora destes compromissos? Ou apenas adiá-los?(…)
  • É que, para os que estão distraídos, os transportes ferroviários são a grande aposta da União Europeia para o século XXI.(…)
  • Última nota: a linha Madrid-Sevilha dá dinheiro. Madrid-Barcelona regista um tráfego colossal.(…)
  • Finalmente: olhe-se para o mapa acima. Somos muito periféricos. Queremos ficar ainda mais? [mapa que estava errado, como o próprio autor depois admitiu; o mapa errado, mostrando linhas que não eram de alta velocidade como sendo linhas de TGV, criava a ilusão de que Portugal era a excepção fora do TGV] (…)»

Em 6 meses NS consegue passar de uma argumentação para a outra, como se os leitores não tivessem memória. É obra. Diria que é algo ao alcance apenas de quem não se ri quando o seu entrevistado fala da segunda derivada para "explicar" que o desemprego estava a diminuir (ver entrevista de Sócrates à SIC).

Quanto ao TGV, olhe-se para a figura 1 e para as contas do país e conclua-se se a tese do inevitável TGV interessa a mais alguém para além das empresas de obras públicas.

Seguem-se os dois textos de NS de Junho 2009 referidos neste post.

 

Podemos mesmo não fazer o TGV?

[Nicolau Santos, Expresso 20 de Junho 2009]

 
[Fig. 3 - Linhas TGV - mapa errado; publicado no Expresso]

A construção do TGV, que já era um ponto de fricção entre o Governo e a actual liderança do PSD, tornou-se um tema central que vai marcar o debate político até às eleições legislativas do Outono, com o Governo a ser sujeito a uma enorme pressão para adiar a decisão. E o certo é que, "por escrúpulos democráticos", segundo o primeiro-ministro, o Governo adiou a decisão para depois das legislativas, uma medida saudada pelo Presidente da República com uma frase que não deixa dúvidas sobre o que pensa: "É um caminho de bom senso. No tempo económico, financeiro e político que vivemos, devemos ser muito cuidadosos e ponderados em todas as decisões que tenham influência no futuro do país".

Hoje, o Expresso revela um abaixo-assinado de 28 reputados economistas, pedindo a Sócrates para reavaliar os grandes investimentos públicos. Os pressupostos de que partem são inquestionáveis: a taxa potencial de crescimento da economia caiu de um valor médio anual de 3% para 1%; na última década a economia portuguesa teve o pior desempenho relativo dos últimos 80 anos; o défice externo, que andava na casa dos 8% do PIB desde 1999 passou para 10,5% do PIB em 2008; a dívida externa líquida cresceu de 14% do PIB em 1999 para 100% em 2008; a dívida pública directa passou de 56% para 67% entre 1999 e 2008. E assim propõem que se reavaliem os grandes investimentos públicos, recorrendo ao apoio consultivo de um painel de economistas, gestores e engenheiros, nacionais e estrangeiros, de reconhecida competência e independência.

Ora, posto o assunto nestes termos, quem não estará de acordo? Sobram, no entanto, algumas questões. A primeira delas é: mas os Governos têm andado a brincar aos comboios de alta velocidade com os dinheiros dos contribuintes? É que a decisão tem vindo a ser ratificada por sucessivos Executivos de cores diferentes. Exemplo: na Cimeira Luso-Espanhola (XXI) de Évora, em 18 e 19 de Novembro de 2005 (Governo Sócrates), foi reafirmado, pelo Governo português, o compromisso de manter todas as ligações internacionais em Alta Velocidade anteriormente assumidas nas Cimeiras da Figueira da Foz (XIX) e de Santiago de Compostela (XX), realizadas em Novembro de 2003 (Governo Durão Barroso) e Outubro de 2004 (Governo Santana Lopes): Lisboa-Madrid, Porto-Vigo, Aveiro-Salamanca e Faro-Huelva.

Bom, mas admitindo que os Governos sabiam o que estavam a fazer, podemos nós colocar-nos agora fora da Rede Europeia de Alta Velocidade? Vejamos. Em 29 de Abril de 2008 o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu aprovaram um conjunto de 30 projectos prioritários, no qual se incluem: o Eixo Ferroviário de AV do Sudoeste Europeu, que integra as ligações Lisboa-Porto, Aveiro-Salamanca, Lisboa-Madrid e as ligações de Madrid às linhas de Alta Velocidade francesas Paris-Tours e Paris-Lion-Marselha/Nîmes; e o projecto Interoperabilidade Ferroviária de AV na Península Ibérica, onde se inclui a ligação Porto-Vigo. Podemos saltar fora destes compromissos? Ou apenas adiá-los?

É que, para os que estão distraídos, os transportes ferroviários são a grande aposta da União Europeia para o século XXI. Na verdade, em 2020 a Rede Transeuropeia de Transportes terá uma extensão total de 94.000 km de ferrovia, incluindo cerca de 20.000 km de linhas de alta velocidade. Este objectivo implica a construção de 12.500 km de novas linhas de caminho-de-ferro e a modernização de 12.300 km. Quando estiver concluída, espera-se uma redução de 14% no congestionamento rodoviário e uma redução anual de 4% das emissões de CO2.

Última nota: a linha Madrid-Sevilha dá dinheiro. Madrid-Barcelona regista um tráfego colossal. Os franceses vão duplicar a linha Paris-Lyon e vão investir mais 14 mil milhões em novas linhas. Ou seja, há vários países a concretizar os seus projectos: Espanha, França, Alemanha, Inglaterra, Bélgica, Itália, Holanda, Suécia, Grécia, Suíça, República Checa...

Finalmente: olhe-se para o mapa acima. Somos muito periféricos. Queremos ficar ainda mais? E quantos fundos comunitários vamos perder? Adiemos portanto a decisão. Estude-se mais. Mas acho que vamos mesmo ter Alta Velocidade em Portugal. Só não sabemos é quando.

 

Podemos não fazer o TGV?

[Nicolau Santos, Expresso 27 de Junho 2009]

Sob este título, publiquei aqui um texto a semana passada, acompanhado de um gráfico semelhante a este, mas errado, quer factualmente (Barcelona aparecia duas vezes em sítios diferentes), quer mal explicado (pelo que peço desculpa aos leitores). Na verdade, confunde-se o TGV com ligações que serão feitas a velocidades muito diferentes, mas que integram, todas elas, o sistema ferroviário transeuropeu de Alta Velocidade. Este sistema assenta em três categorias de linhas: as especialmente construídas para a alta velocidade, equipadas para velocidades iguais ou superiores a 250 km/h; as linhas especialmente adaptadas para a alta velocidade, equipadas para velocidades da ordem dos 200 km/h; as linhas adaptadas para a alta velocidade, de natureza específica devido a condicionalismos de topografia, relevo ou meio urbano e nas quais a velocidade deverá ser adaptada caso a caso.

Como é óbvio, a pergunta que fica é: e não podemos integrar a rede sem construirmos imensas linhas de TGV, sobretudo se passarmos a ter todas as nossas linhas em bitola europeia?



2 comments :

  1. Nádia Jururu disse...
     

    Concordo consigo.
    Quanto ao fazer e desfazer, prometer e não cumprir, tomo a liberdade de chamar a atenção para o meu post, que já leu, sobre um comboio prometido e nunca feito, uma das muitas histórias do meu avô.

    http://terraimunda.blogspot.com/2009/12/o-caminho-de-ferro.html

  2. Diogo disse...
     

    Bom Post! Nicolau diz-se e desdiz-se com uma celeridade inaudita.

Enviar um comentário