a política na vertente de cartaz de campanha

Buzz this

Notícia das notícias em gráficos

O jornal Público divulga hoje o relatório da ERC sobre os gastos em publicidade por parte do Estado central – isto é, sem contar com autarquias, instituições de ensino, tribunais, Presidência e Assembleia da República.

É portanto apenas uma parte do total desta desta despesa e desde logo espanta pelo seu valor: 408 milhões de euros! Caro leitor, fique sabendo que só para a propaganda do Estado central contribuiu no ano passado com mais de 40 euros. Contribuiu, aliás, bem mais do que este valor, pois o número de contribuintes efectivos é muito inferior a 10 milhões. Dada a falta de números oficiais, estima-se em 3.5 milhões o número de contribuintes efectivos. Neste caso, a sua generosa contribuição em 2009 para os cartazes do solar, das Novas Oportunidades, dos programas patrocinados na TSF, anúncios de página inteira em jornais e mais uma catrefada de "investimentos" (!) foi superior a 100 euros.

Mas vejamos esses números saídos hoje no Público, aqui apresentados em 5 gráficos, para depois  os lermos.

1. Gastos totais

 Gastos em PUB pelo Estado central

image

2. Distribuição pelos diversos meios de comunicação social

image

image

 

3. Gastos em televisão

 image

image

 image

image

 

4. Gastos na imprensa

image 

image 

image

 

5. Gastos na rádio

image

image

 

Olhando para este números, regista-se que a televisão recebe a fatia de rei. pelas somas "TVI+TVI24" e "SIC + SIC Notícias" verificamos que a distribuição de dinheiro foi quase equitativa entre os dois grupos.

Quanto à imprensa, os grupos "Correio da Manhã + Sábado" e "Jornal de Notícias  + Diário de Notícias + 24 Horas" quase facturam ao Estado os mesmos valores. Que são o dobro do que o grupo "Expresso+Visão" facturaram. Já o Público, pese embora a inegável qualidade do jornal, é um claro perdedor.

Nas rádios, o domínio da TSF é notável, com uma facturação ao Estado mais de 18 vezes superior àquela que o Rádio Clube conseguiu. Apesar de as duas rádios (quando a Rádio Clube ainda estava no ar) terem uma programação que se podia dizer taco-a-taco.

O facto é que, também na comunicação social, o peso do Estado não é de ignorar. Só o Estado central corresponde a 10% da facturação mas há a não esquecer os gastos das autarquias, instituições de ensino, tribunais, Presidência e Assembleia da República. O que leva à habitual questão da isenção quando certos trabalhos jornalísticos vêm luz. Mas mais preocupante do que este aspecto é a actual tendência da comunicação social publicar, quase sem confirmação (sejamos benévolos), as notas de imprensa que recebe da parte do Estado e de agências de comunicação. O que resulta num quarto poder deveras enfraquecido.

 

Outras leituras:



1 comments :

  1. O Guardião disse...
     

    Dali só sai publicidade enganosa, só assim entendo a votação em partidos que nos enfiaram neste buraco,
    Cumps

Enviar um comentário